Carnaval 2018

Samba Cid com Alegria

Pimpolhos canta Cidadania

Vem Pimpolhos, vem brincar
É na sombra da Aroeira que eu vou lhe ensinar
Vem Pimpolhos, vem brincar
É na sombra da Aroeira que eu vou lhe ensinar
Caxias vem mostrar o babado da cidadania
Quem vem contar é o Samba Cid
Cantando e tocando o seu violão
Pensar no presente, amanhã transformação
Para ser livre nessa terra, abolição
O baluarte fazendo a gente sambar
E os professores querem educar
A turma do Sambelê é pura emoção
Cora, Natu e Edu, que é metido a sabichão
Tem a Comu que é o do povão
E o Sussa anda sempre tranquilão
Quem sou eu? Sou a liberdade de sonhar
Quem sou eu? Que vejo o mundo diferente em cada olhar
Ta na cara todos podem ver
E na política, xí! Ruim de aturar
Nós somos cidadãos
Vamos lutar, conquistar e respeitar

Vem Pimpolhos, vem brincar
É na sombra da Aroeira que eu vou lhe ensinar
Vem Pimpolhos, vem brincar
É na sombra da Aroeira que eu vou lhe ensinar

Compositores: Jorge Azevedo, Chalana Saleiro, João Pessanha, Beatriz Stadler, Elizabeth Silva, Raphael Silva.
Intérprete: Ruan Paiva.
Coro: Comunidade.

Inspirado na constituição de 1988, o Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba Mirim Pimpolhos da Grande Rio, apresenta o carnaval de 2018 :

Na turma do Sambelê tem a Cora, que é pura emoção. A amante da natureza é a Natú e o Edu é metido a sabichão. Já a Comu é a do povão e o Sussa tá sempre tranquilão. “Bento que bento é o frade, na boca do forno”, pula amarelinha, solta a pipa, “nós quatro eu com ela eu sem ela”, pé descalço, anda de bicicleta “adoleta, lepetipetipolá, lescafé com chocolá” pula corda, pique esconde. Mesmo com tanta brincadeira, vez por outra dá babado no grupão:

O babado era entender o que é ser cidadão. O direito de um e o direito do outro se perdeu no meio da confusão. E quem resolve a questão? Lá embaixo da Aroeira, tocando seu violão, é o Samba Cid versador, defensor do cidadão. Cidadania são direitos políticos, civis e sociais.

- Civil viu, se não viu…bem feito, o torto que está direito é direito de todos. Vale o que está escrito como direito político!

Percebendo o furdunçinho e a confusão, Samba Cid convida toda a turma a embarcar numa aventura de reflexão.

- Como entender o presente sem conhecer o passado?

Para ser livre nesta terra, foi preciso a abolição, Luís Gama foi um deles, firme, forte e pé no chão. Tia Ciata, Dona Ivone e Paulo da Portela, vieram reivindicar pelo direito do povo sambar. E a educação que é de direito, Armanda Álvaro Alberto e Darcy Ribeiro, lutaram para serem professores de respeito.

O Samba Cid nos traz Luís, Ivone e Darcy como exemplos de cidadania, fazendo com que a gente reflita nas ações do dia-a-dia.

- Isso é ser cidadão! Cidadania é direito, está escrito na Constituição.

A turma do Sambelê esperta para valer, entendeu a questão! Cidadania é todo dia, seja na escola, família ou no congresso nacional. Conquistamos tantas coisas pela luta por nossos direitos, para garantir o respeito na esperança de uma vida melhor!

- Não é bem assim que as coisas andam funcionando não…Tudo que foi conquistado, pode ser roubado da vida do cidadão. Tempos difíceis na saúde e na educação, na política então...

Não seria a hora de mudar essa situação?

Samba Cid lembra que a cidadania é dia-a-dia, e que para transformar o futuro é preciso (re) construir o presente, sem esquecer do passado. Cora, Sussa, Natú, Comu e Edu seguem nessa missão, multiplicando essa ideia com toda empolgação

- Nós não somos a turma do Sambelê? Nós também podemos contribuir para melhorar essa história. Criança pode pensar em ser cidadão! Como já dizia o poema:

“ Não é questão de querer, nem questão de concordar,

O direito das crianças todos tem de respeitar”.

“ Sou criança, sou o futuro e ninguém vai me segurar”

Isso é cidadania, lutas, conquistas e direitos...